Escola Superior de Educação Politécnico de Coimbra
ESEC Politécnico de Coimbra
A ESEC
Estudar
Investigar / Transferir
Menu secundário
Imagem

Inspiring Alumni - João Carlos Ramalheiro (Educação Musical)

Quarta, 4 Outubro, 2017

"Sem dúvida que a motivação base era, principalmente quando estava a ensinar, fazer os meus alunos sorrir enquanto estavam a aprender música"

Sem dúvida que a motivação base era, principalmente quando estava a ensinar, era fazer os meus alunos sorrir enquanto estavam a aprender música"

João Carlos Ramalheiro, licenciado em Educação Musical pela Escola Superior de Educação de Coimbra é atualmente diretor pedagógico da Academia de Música Classplash – Lousã e também, fundador e C.E.O da Classplash (Desenvolvimento de Software/Jogos Didáticos). Em 2012 conquistou o 1º lugar na categoria “A escolha dos professores” no Concurso Mundial de Professores Inovadores da Microsoft com o projecto “Oratio Classroom & the World of Music”, o que permitiu a visita à sede da empresa e ainda a participação em diversos fóruns internacionais da Microsoft, empresa com a qual continua a colaborar.
Neste momento encontra-se fortemente focado na internacionalização da Classplash, nesse sentido criou a empresa sediada na Alemanha, na qual o seu irmão assume o papel de representante do projeto, estando responsável pelo marketing, distribuição e criação de um vasto leque de parceiros.

ESEC - O seu percurso profissional tem uma ligação permanente ao ensino da música. Como descreveria a atividade de professor de educação musical durante o seu percurso?

Eu sempre estive ligado à música e ao ensino de música por sentir e achar que o ensino de ciência humana teria que ter a mesma importância que qualquer outra disciplina do sistema escolar do século XXI. Daí defender tanto a interdisciplinaridade que também foi alvo de uma entrevista feita para o blog do vice-presidente “Microsoft Education” em todo o mundo. Esta ligação foi sempre importante para mim, a inovação nesta área, foi sempre o alvo em tudo o que fazia. Sem dúvida que a motivação base era, principalmente quando estava a ensinar, fazer os meus alunos sorrir enquanto estavam a aprender música e alinhar esse objetivo à tecnologia. Esta motivação fez com que eu desse o passo seguinte no meu percurso profissional. A inspiração de que poderia ver uma nota musical (que no fundo é a temática mais rejeitada por parte dos alunos, a leitura musical em si), num quadro interativo, que no fundo seria a janela para o mundo da música.

ESEC - O projeto “Oratio Classroom & the World of Music” valeu-lhe distinções a nível internacional, pode explicar-nos um pouco sobre este recurso inovador?

O projeto “Oratio Classroom & the World of Music” surgiu no âmbito escolar, inserido na Lousã Living Lab e criado pelo vereador Hélder Bruno Martins da Câmara Municipal da Lousã. Foi lançado um programa que permitia a qualquer ideia inovadora, ser implementada e apresentada a várias entidades, ao qual concorri com sucesso.
O projeto apresentado consistia na conceção de um software de uma plataforma, permitindo uma viagem ao mundo da música. As sucessivas apresentações do projeto, permitiram-me perceber que não era fechado somente à minha sala de aula, mas que também poderia expandir, ganhar asas e abranger outros públicos. A implementação da plataforma auxiliou esta filosofia, o projeto foi apresentado internacionalmente a várias entidades de todas as áreas, empresários, incluindo também empresários da Microsoft, outros parceiros como financiadores, etc.

ESEC - Foi distinguido pela Microsoft como “Microsoft Expert Educator” em 2012. Esta distinção trouxe mudanças na sua vida profissional?

A plataforma foi desenvolvida com a tecnologia Microsoft, os conceitos foram desenhados como qualquer outra plataforma, como o software Paint, PowerPoint, etc.
O projeto foi desenvolvido com 200 crianças no 1º ciclo na altura em que estava a lecionar as atividades de enriquecimento curricular, os alunos tinham os seus próprios Magalhães e em conjunto foi possível desenvolver esta plataforma, reunindo as ideias das crianças e unido com a minha vontade de levar as crianças ao mundo da música, foi então possível, concretizar este objetivo.
A experiência de possuir o quadro interativo na sala de aula, permitiu que, além de terem música também fosse possível ter momentos em que estavam a criar usando ferramentas digitais da Microsoft.
A criação deste projeto conduziu ao convite para participação nos fóruns da Microsoft em todo o mundo e ainda visitar a sede da empresa em Redmond no ano 2014/2015.
Antigamente, os fóruns eram mundiais e europeus, os europeus deixaram de existir neste formato, mas os mundiais ainda se mantêm, envolvem sempre sensivelmente 500 entidades, entre elas, professores de escolas em todo o mundo, diretores de escolas, representantes do ministério, entre outros. Este fórum possibilitou-me a apresentação do projeto a cerca de 150 professores.
Os prémios conquistados dizem respeito a uma categoria designada “Educators Choice”, no fórum europeu obtive o 2º lugar e no fórum mundial obteve o 1º lugar. Com este prémio recebi o reconhecimento e o título como “Microsoft Expert Educator”, mais tarde até “Fellow”, que definitivamente foi uma mudança na minha vida, uma mudança no sentido profissional e emocional.
A mudança levou-me a arriscar, digamos que foi a última gota para avançar até à criação de uma empresa destinada a conceber conteúdos digitais que eram ideias que estavam inseridas neste conceito de plataforma. 
Nesta visita experienciei duas tarefas, uma delas consistiu em fazer parte do júri, passei de ser um avaliado, um aluno, para avaliador de outros professores de todo o mundo. Foi um trabalho que fiz com muito prazer.
Existem trabalhos com excelentes culturas, e esta função permitiu conhecer um pouco da cultura na área da educação em todo o mundo, por outro lado, essa visita permitiu-me também dialogar em reuniões fechadas diretamente com os developers das ferramentas conhecidas, como PowerPoint, Excel ou One Note, uma ferramenta fantástica usada por poucos, infelizmente, penso que seja por falta de conhecimento. Foi uma experiência interessante e incrível, ter a possibilidade de comunicar com os responsáveis do desenvolvimento de tudo o que está relacionado com o Office da Microsoft.”

 

ESEC - Quais as melhores recordações que guarda da ESEC?

As melhores recordações na ESEC, foram as borgas… não. Estou a brincar. Literalmente as melhores experiências foram o staff, as unidades curriculares nem sempre foram as que idealizava, mas isso acontece em qualquer curso superior. Existem unidades curriculares que agradam mais do que outras, e também algumas que julgamos serem mais úteis no futuro. Mas as melhores recordações que tive do curso definitivamente estão relacionadas com o lado humano, as amizades com colegas e professores, havia uma excelente filosofia, uma excelente cultura e uma excelente harmonia.
Mas em regra geral também fizemos amigos, posso dizer que aprendi imenso, tanto na prática como na teoria, o curso é bastante prático e eu defendo muito que nós temos de partir da prática para a teoria e não o contrário, é assim que o humano faz o seu primeiro processo de aprendizagem quando é infantil. E porquê que será que quando estamos na universidade acontece o contrário? Assimilamos muito melhor a teoria ao começar pela prática, tivemos prática pedagógica praticamente durante todo o curso, durante os 4 anos (pré-Bolonha), ficaram as excelentes recordações, os excelentes profissionais, que definitivamente deram muito.
A possibilidade de visitar e assistir a aulas, do Virgílio Caseiro, para mim e para o meu percurso foi bastante importante.

- Que conselho daria a um atual aluno de Música/Estudos Musicais Aplicados para uma melhor integração no mercado de trabalho?

O conselho que eu dava hoje a colegas do meu curso seria para nunca perderem a fé e acreditarem nas suas qualidades, no seu talento e nunca confiarem naquilo que o mercado nos dita por duas razões: porque o mercado está em constante mudança e também porque é muito rápido. O mercado de trabalho, e também outros mercados, são instáveis e funcionam muitas vezes por modas, isto falando claramente no mercado do consumidor final.
Tiro esta conclusão depois de muitas horas perdidas com estudos de mercado e também exemplos concretos, pegamos no exemplo da Apple, juntamente com o CEO Steve Jobs, conseguiram criar uma necessidade no mercado, as pessoas passaram a precisar de um iPhone ou de um iPad. Não era previsível acontecer, um boom de tal escala que “toda a gente” adquiriu um produto/utensílio da marca para o seu standard social económico.
Para os colegas de música uma palavra de motivação, para que nunca deixem de acreditar naquilo que fazem e nas qualidades que tem. Quando saírem para o mercado é importante que entendam que não sabem tudo, a minha experiência prova que com humildade chegamos muito mais longe, humildade significa que nós aprendemos diariamente, não só com as pessoas de mais idade, mas também com os próprios alunos. Deixo esta mensagem para os colegas da minha área.

‹ Voltar